"Streaming derrota download digital e lidera setor de música em faturamento"

Streaming derrota download digital e lidera setor de música em faturamento

Foto: Wikipedia – Crystal Clear app ktalkdLeer también: coqueiros perde R$ 4,3 milhões com eliminação na LibertadoresLeer también: Música on-line alcança 76% dos internautas brasileiros, declara pesquisa Os serviços de música em formato stream ultrapassaram os downloads digitais e se tornaram a maior fonte de receita no maior mercado global para a indústria da música, […]

Foto: Wikipedia – Crystal Clear app ktalkd

Os serviços de música em formato stream ultrapassaram os downloads digitais e se tornaram a maior fonte de receita no maior mercado global para a indústria da música, de acordo com dados da Recording Industry Association of America , a organização setorial das gravadoras estadunidense.

O faturamento de serviços de música por assinatura como Spotify, Apple Music e Pandora aumentou 29% em 2015, para US$ 2,41 bilhões, respondendo por 34,3% do total de receitas do setor. Foi a primeira vez que o faturamento total dos serviços de streaming ultrapassou os US$ 2 bilhões, e todos os segmentos desse mercado aumentaram.

No setor de música norte-americano como um todo, as vendas do varejo subiram em 0,9%, para US$ 7 bilhões. Isso pôs fim ao reinado de uma década dos downloads digitais, que vem inscrevendo queda de vendas há alguns anos. Em 2015, o faturamento com downloads caiu em 10%, para US$ 2,3 bilhões, o equivalente a 34% das vendas do setor.

Em meio a quedas das vendas físicas e dos downloads digitais, o bom resultado do setor de streaming também apoiou a indústria fonográfica a voltar a aumentar em 2015, ainda que ligeiramente. No ano passado, o setor inscreveu 7 bilhões de dólares em vendas, número 0,9% maior do que o inscrito na temporada anterior.

As vendas de música em formato físico também caíram em 10%, para US$ 2 bilhões, respondendo por 28,8% da receita total. Outro ano forte para as vendas de LPs em vinil – alta de 32%, para US$ 416 milhões, sua marca mais alta desde 1988 – não bastou para compensar a queda de 17% nas vendas de CDs.

“O setor de música agora é um negócio digital, derivando mais de 70% de sua receita de uma extensa variedade de plataformas e formatos digitais. Os formatos digitais têm posição mais alta no setor de música, em termos de participação na receita, do que em qualquer outro setor”, declarou Cary Sherman, presidente da RIAA.

À medida que o streaming se torna a maneira dominante de consumo digital de música, os serviços por assinatura vêm se tornando o maior segmento do mercado, e aquele que mostra o mais rápido crescimento, e no ano passado receberam empuxo especial de novos participantes, como a Apple Music e o Tidal, um serviço cujos proprietários são músicos e o rapper Jay Z. dirige ele

CRESCIMENTO

O número de assinantes pagos de serviços de streaming subiu em 40%, para 10,8 milhões de pessoas no ano passado, gerando mais de US$ 1 bilhão em receita pela primeira vez, de acordo com a RIAA. Os cinco artistas mais populares no Spotify em 2015 foram Drake, The Weeknd, Kanye West, Ed Sheeran e Eminem.

O Spotify, um dos líderes entre as empresas de streaming de música, chegou à marca de 28 milhões de usuários pagantes em todo o mundo, em 2015, e está perto dos 30 milhões. A Apple Music ultrapassou os 10 milhões de assinantes em seis meses, depois de seu lançamento em junho.

O streaming de música agora é culpada pelo maior parte dos rendimentos da indústria fonográfica dos EUA, onde gerou cerca de 2,4 bilhões de dólares em 2015, segundo o mais recente relatório da RIAA .

Mas a virada em favor do streaming também alimentou tensões entre os artistas e as empresas do setor de música, com grandes estrelas como Taylor Swift e Adele optando por não permitir o uso de sua música por determinados serviços.

“O consumo de música está em disparada, mas a receita para seus criadores não acompanha esse ritmo de alta”, declarou Sherman.

Ele assinalou que serviços que oferecem música a pedidos e são bancados por anúncios, como o YouTube, inscreveram mais de 100% de alta no consumo de música em 2015, ante o ano anterior, mas a receita gerada por eles aumentou em apenas 31%.

“É por isso que nós, e tantos de nossos irmãos na comunidade da música, sentimos que alguns gigantes da tecnologia estão enriquecendo à custa das pessoas que de facontecimentocinstituemmúsica”, ddeclarouSherman.

“São necessárias reformas para nivelar o campo de jogo e garantir que toda a comunidade da música extraia o pleno e justo valor de nosso trabalho”.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Sentiment score: SLIGHTLY POSITIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Streaming derrota download digital e lidera setor de música em faturamento
>>>>>Streaming de música superou downloads pela primeira vez em 2015 – March 23, 2016

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

IdEntityPositiveNegativeNamed-EntityTotal occurrencesOccurrences (appearances)
1esse ritmo de alta1000NONE6 (tacit) ele/ela (referent: o streaming de música): 3, Ele (referent: esse ritmo de alta): 1, (tacit) ele/ela: 1, (tacit) ele (referent: empuxo especial de novos participantes): 1
2receita00NONE6 receita: 1, sua receita: 1, a receita total: 1, a receita gerada: 1, a receita: 2
3ano00NONE4 o ano passado: 3, o ano anterior: 1
4downloads00NONE4 os downloads digitais: 3, downloads: 1
5serviços00NONE4 serviços: 3, os serviços: 1
6us00NONE4 us: 4
7streaming800NONE3 o streaming: 1, streaming: 2
8o setor de música00NONE3 o setor de música: 2, O setor de música: 1
9serviços00NONE3 (tacit) eles/elas: 2, eles (referent: serviços): 1
10aquele o mais rápido crescimento3200NONE2 aquele o mais rápido crescimento: 2