"São Gonçalo: Pai de garota vítima de bala perdida declara que estuda processar o estado"

São Gonçalo: Pai de garota vítima de bala perdida declara que estuda processar o estado

O pai de Ana Beatriz, de 5 anos, morta na tarde desta quinta-feira, vítima de bala perdida, declara que pretende processar o estado. Atingiu-se a garota em a cabeça durante uma celebração infantil, em a casa de o tio, em o Barro Vermelho, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, em o último domingo. O […]

O pai de Ana Beatriz, de 5 anos, morta na tarde desta quinta-feira, vítima de bala perdida, declara que pretende processar o estado. Atingiu-se a garota em a cabeça durante uma celebração infantil, em a casa de o tio, em o Barro Vermelho, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, em o último domingo.

O pai da pequena Ana Beatriz Duarte de Sá, de 5 anos, vítima de uma bala perdida na noite do último domingo, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, declarou que a filha teve, na madrugada de terça para esta quarta-feira, três paradas cardiorrespiratórias e que o estado de saúde dela continua bastante grave. Ainda de acordo Robson Barbosa, os médicos informaram que depois da cirurgia realizada na segunda-feira, para retirada da bala da cabeça da garota, é necessário aguardar por 72 horas para ver a evolução do quadro clínico.

— É um momento muito difícil. O estado precisa nos conceder respostas. É difícil saber que sua filha estava dentro de casa, teoricamente um lugar seguro, e foi vítima da violência que bebe conta do nosso país. Em momento algum nenhuma autoridade nos procurou para prestar solidariedade — declarou Robson Barbosa, emocionado: — Se um dia eu descobrir o escritor do tiro, não sei o que declararia para essa pessoa. No momento em que estamos completamente sem esperança, reafirmo que não vou deixar de combater para ter respostas.

Robson narrou que a garota faria aniversário no dia 14 de abril e que ela estava ansiosa, porque havia pedido uma celebração da Barbie:

— Sabia que se ela resistisse não conseguiria sair da clínica antes do aniversário. Mas eu iria fazer uma celebração só para comemorar essa conquista. Agora, não tenho mais o que comemorar. Só desejo que a polícia prenda o culpado por essa calamidade.

A direção do Colégio Paraquett, no Engenho Pequeno, também em São Gonçalo, onde a pequena Ana Beatriz estudava, está de luto e não irá funcionar nesta sexta-feira.

O pai tem também um filho de 4 anos, de outro casamento, e declarou que o irmão de Ana Beatriz ainda não sabe da morte da garota.

A mãe de Ana Beatriz está bastante nevosa com o caso e o pai tem passado a noite a criança no clínica. Nas redes sociais, ela pede orações para a filha:

De acordo com notícias da 73ª DP , o caso está sendo investigado. Se escutara familiares e testemunhas e os agentes aguardam o resultado de os laudos periciais. Os agentes realizam diligências para definir a trajetória do projétil que atingiu a vítima. Encaminhou-se o inquérito para a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí.

O caso está sendo investigado pela 72ª DP . Quando atingiu, de acordo com os investigadores, a pequena brincava com outras crianças -se ela em a cabeça. Na hora, ela ainda procurou os pais se queixando dos ferimentos. Em o primeiro momento , os pais levaram a garota a o pronto socorro infantil Darcy Vargas , em o Zé Garoto , em São Gonçalo. Eles acreditavam que o ferimento teria acontecido durante um tombo. Mas, detectou-se ele para a surpresa de todos, que se tratava de um tiro.

Ainda não há notícias sobre o funeral do menino.