"Empresário de Santo André declara que não sabia que dinheiro vinha do PT"

Empresário de Santo André declara que não sabia que dinheiro vinha do PT

Foto: Wikipedia – Brasão de ValérioLeer también: Cunha defende resolução que o assistência e critica presidente do Conselho de ÉticaLeer también: Três rumos que Lava Jato pode ter após resolução sobre impeachment Preso provisoriamente pela Operação Lava Jato, o empresário de Santo André Ronan Maria Pintodeclaroue aos investigadores, nesta segunda , quenuncas chantageou integrantes do […]

Foto: Wikipedia – Brasão de Valério

Preso provisoriamente pela Operação Lava Jato, o empresário de Santo André Ronan Maria Pintodeclaroue aos investigadores, nesta segunda , quenuncas chantageou integrantes do PT para receber dinheiro e que desconhecia a origem dos recursos de um “empréstimo” que ele contraiu, agoraassinaladoss como provenientes do partido.

Ronan foi preso na última sexta por ter recebido, em 2004, cerca de R$ 6 milhões oriundos de um empréstimo fraudulento feito pelo pecuarista José Carlos Bumlai com o Banco Schahin. Bumlai já confessou ter bebido o dinheiro a pedido do PT.

Tal empréstimo, segundo a Lava Jato, jamais foi pago. Em troca, o Grupo Schahin obteve um contrato bilionário com a Petrobras para operar um navio-sonda. A suspeita é que o valor recebido por Ronan, que alegou que adquiriu o “Diário” com recursos próprios, advindos de suas companhias de transporte, tenha sido utilizado por ele na compra do jornal “Diário do Grande ABC”. , e que o valor sob inquérito, R$ 5,7 milhões, foi de um empréstimo que ele fez com a companhia Via Investe para adquiri uma nova frota de ônibus.

Ao assinalar um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo Bumlai, Pinto e petistas, o período “Carbono 14” da Lava Jato une pontas da história. Se cobriu o empréstimo fraudulento segundo o inquérito, foi posteriormente coberto por meio de desvios em a Petrobras.

A Via Investe , segundo o empresário , lhe exibiu A Via Investe segundo o empresário lhe. Altman é próximo do PT e do ex-ministro José Dirceu.

Ronan declarou que a companhia Remar Agenciamento emprestou de fato o valor e Assessoria, apesar de ter negociado com a Via Investe. A Remar, conforme apurou a Lava Jato, tinha um contrato de mútuo no valor de R$ 6 milhões com uma companhia ligada ao publicitário mineiro Marcos Valério.

Valério é um bairro da no Cidade de Cachoeiras de Macacu no estado do Rio de Janeiro, no Brasil.

Ronan declarou que não sabia que a Remar tinha esse contrato com a empresa de Valério e que tampouco sabia que a origem do empréstimo que fez era o Banco Schahin.

Segundo o Ministério Público Federal, a operação investiga um suposto esquema de lavagem de capitais de cerca de R$ 6 milhões provenientes de administração fraudulenta no Banco Schahin, cujo rombo cobriu-se ele depois pela Petrobras.Daniel comentou, por telefone, as denúncias e dossiês que circulavam sobre direcionamento de licitações para favorecer Ronan, amigo e sócio de Sérgio Gomes, o “Sombra”, ex-assessor do prefeito e homem influente na prefeitura.

MARCOS VALÉRIO

Em 2012, numa tentativa de fechar acordo de delação e obter vantagens em sua condenação no mensalão, Valério relatou que Ronan recebera dinheiro do PT após chantagear o ex-presidente Lula e os ex-ministros Gilberto Carvalho e José Dirceu. Segundo o publicitário, o jornalista Breno Altman havia intermediado a negociação com o empresário.

A suspeita dos investigadores é que a chantagem estivesse ligada ao homicídio, em 2002, do então Celso Daniel ou ao esquema de corrupção instalado na prefeitura na gestão do petista. Celso Daniel é prefeito de Santo André.

Nesta segunda, Ronan declarou aos investigadores da Lava Jato que Valério mentiu sobre ele ter chantageado Lula. De acordo com o empresário, o publicitário instituiu essa versão como uma espécie de represália porque, em 2012, ele se rejeitou a vender seu jornal ao periódico mineiro “O Tempo”.

Anexou-se ele o testemunho de Valério, revelado por a revista ” piauí ” em agosto passado, a os autos deoaperíodoe ” Passe Livre ” de a Lava Jato que prendeu Bumlai em novembro de o ano passado,. À época, Pinto não se demonstrou.

Procurado, Marcelo Leonardo alegou que não é crível a versão exibida por Ronan. Marcelo Leonardo é o advogado de Valério. “Não tenho nenhum conhecimento de qualquer relação do Marcos Valério com o jornal ‘O Tempo’. Isso não existe”, declarou o criminalista.

Procurada, a direção do jornal “O Tempo” não se demonstrou até a publicação desta reportagem.

Sentiment score: SLIGHTLY NEGATIVE

A história desta notícia a partir de notícias prévias:
>Empresário de Santo André declara que não sabia que dinheiro vinha do PT
>>>>>Nova fase aproxima Lava Jato do assassinato de Celso Daniel –
>>>>>PT teme instabilidade de Silvinho, alvo da nova fase da Lava Jato –
>>>>>O “aliado pontual” do PT em Santo André – April 02, 2016

Entidades mais mencionadas e sua valorização na notícia:

IdEntityPositiveNegativeNamed-EntityTotal occurrencesOccurrences (appearances)
1Ronan080PERSON11 ele (referent: Ronan): 1, ronan: 1, (tacit) ele/ela (referent: Ronan): 1, (tacit) ele (referent: Ronan): 1, Ronan: 7
2eu00NONE8 (tacit) eu: 8
3empréstimo080NONE5 um empréstimo: 3, Tal empréstimo: 1, o empréstimo fraudulento: 1
4Valério00PERSON5 Valério: 5
5a suspeita00NONE5 (tacit) ele/ela (referent: A suspeita): 5
6seu jornal00NONE5 ele (referent: o empresário de Santo_André_Ronan_Maria_Pinto): 1, ele (referent: o publicitário): 1, (tacit) ele/ela (referent: o empresário de Santo_André_Ronan_Maria_Pinto): 2, (tacit) ele (referent: seu jornal): 1
7Lava Jato00ORGANIZATION4 a Lava_Jato: 4
8valor2250NONE3 o valor recebido: 1, o valor: 2
9Tempo00ORGANIZATION3 O Tempo: 2, (tacit) ele/ela (referent: O Tempo): 1
10contrato00NONE3 esse contrato: 1, um contrato bilionário: 1, um contrato: 1